Natureza Íntima

Print Friendly, PDF & Email

Natureza Íntima (Augusto dos Anjos)

Ao filósofo Farias Brito
Cansada de observar-se na corrente
Que os acontecimentos refletia,
Reconcentrando-se em si mesma, um dia,
A Natureza olhou-se interiormente!

Baldada introspecção! Noumenalmente
O que Ela, em realidade, ainda sentia
Era a mesma imortal monotonia
De sua face externa indiferente!

E a Natureza disse com desgosto:
Terei somente, porventura, rosto?!
Serei apenas mera crusta espessa?!

Pois é possível que Eu, causa do Mundo,
Quanto mais em mim mesma me aprofundo,
Menos interiormente me conheça?!

Publicações relacionadas

Ângulo Ângulo (Mário de Sá Carneiro) Aonde irei neste sem-fim perdido, Neste mar oc...
O analfabeto político O analfabeto político (Bertold Brecht) "O pior analfabeto é o analfabeto polí...
Versos d’um Exilado Versos d’um Exilado (Augusto dos Anjos) Eu vou partir. Na límpida corrente R...
Precisamos de você Precisamos de você (Bertold Brecht) Aprende - lê nos olhos, lê nos olhos - a...

Deixe uma resposta