Natureza Íntima

Print Friendly, PDF & Email

Natureza Íntima (Augusto dos Anjos)

Ao filósofo Farias Brito
Cansada de observar-se na corrente
Que os acontecimentos refletia,
Reconcentrando-se em si mesma, um dia,
A Natureza olhou-se interiormente!

Baldada introspecção! Noumenalmente
O que Ela, em realidade, ainda sentia
Era a mesma imortal monotonia
De sua face externa indiferente!

E a Natureza disse com desgosto:
Terei somente, porventura, rosto?!
Serei apenas mera crusta espessa?!

Pois é possível que Eu, causa do Mundo,
Quanto mais em mim mesma me aprofundo,
Menos interiormente me conheça?!

Publicações relacionadas

Solidões Solidões (Mario Benedetti) Tradução Eles tem razão essa felicidade ao me...
Vozes da Morte Vozes da Morte (Augusto dos Anjos) Agora, sim! Vamos morrer, reunidos, Tam...
Perguntas de um operário que l... Perguntas de um operário que lê (Bertold Brecht) Quem construiu Tebas, a das ...
O Lamento das Coisas O Lamento das Coisas (Augusto dos Anjos) Triste, a escutar, pancada por panca...

Deixe uma resposta