Encarnação

Print Friendly, PDF & Email

Encarnação (Cruz e Souza)

Carnais, sejam carnais tantos desejos,
Carnais, sejam carnais tantos anseios,
Palpitações e frêmitos e enleios,
Das harpas da emoção tantos arpejos…

Sonhos, que vão, por trêmulos adejos,
A noite, ao luar, intumescer os seios
Lácteos, de finos e azulados veios
De virgindade, de pudor, de pejos…

Sejam carnais todos os sonhos brumos
De estranhos, vagos, estrelados rumos
Onde as Visões do amor dormem geladas…

Sonhos, palpitações, desejos e ânsias
Formem, com claridades e fragrâncias,
A encarnação das lívidas Amadas!

Publicações relacionadas

Assim como falham as palavras Assim como falham as palavras (Alberto Caeiro) Assim como falham as palavr...
Confusão Confusão (Federico Garcia Lorca) (In: "Suíte dos Esp...
Tática e estratégia Tática e estratégia (Mario Benedetti) Tradução Minha tática é olhar-te a...
Rebelado Rebelado (Augusto dos Anjos) Ri tua face um riso acerbo e doente, ...

Deixe uma resposta