Encarnação

Print Friendly, PDF & Email

Encarnação (Cruz e Souza)

Carnais, sejam carnais tantos desejos,
Carnais, sejam carnais tantos anseios,
Palpitações e frêmitos e enleios,
Das harpas da emoção tantos arpejos…

Sonhos, que vão, por trêmulos adejos,
A noite, ao luar, intumescer os seios
Lácteos, de finos e azulados veios
De virgindade, de pudor, de pejos…

Sejam carnais todos os sonhos brumos
De estranhos, vagos, estrelados rumos
Onde as Visões do amor dormem geladas…

Sonhos, palpitações, desejos e ânsias
Formem, com claridades e fragrâncias,
A encarnação das lívidas Amadas!

Publicações relacionadas

Idealismo Idealismo (Augusto dos Anjos) Falas de amor, e eu ouço tudo e calo! O amor d...
Anseio Anseio (Augusto dos Anjos) Quem sou eu, neste ergástulo das vidas Danadament...
Pobres das Flores Pobres das Flores (Alberto Caeiro) ...
Uma Amiga Uma Amiga (Antero de Quental) Aqueles que eu amei, nao sei que vento Os dis...

Deixe uma resposta