Encarnação

Print Friendly, PDF & Email

Encarnação (Cruz e Souza)

Carnais, sejam carnais tantos desejos,
Carnais, sejam carnais tantos anseios,
Palpitações e frêmitos e enleios,
Das harpas da emoção tantos arpejos…

Sonhos, que vão, por trêmulos adejos,
A noite, ao luar, intumescer os seios
Lácteos, de finos e azulados veios
De virgindade, de pudor, de pejos…

Sejam carnais todos os sonhos brumos
De estranhos, vagos, estrelados rumos
Onde as Visões do amor dormem geladas…

Sonhos, palpitações, desejos e ânsias
Formem, com claridades e fragrâncias,
A encarnação das lívidas Amadas!

Publicações relacionadas

Erra uma vez Erra uma vez (Paulo Leminski) nunca cometo o mesmo erro duas vezes ...
Morrer no Rio de Janeiro Morrer no Rio de Janeiro (Ferreira Gullar) Se for março quando o verão ...
Os Estatutos do Homem Os Estatutos do Homem (Thiago de Mello (Ato Institucional Permanente) ...
Aqui onde se espera Aqui onde se espera (Fernando Pessoa) Aqui onde se espera - Sossego, só sos...

Deixe uma resposta