Encarnação

Print Friendly, PDF & Email

Encarnação (Cruz e Souza)

Carnais, sejam carnais tantos desejos,
Carnais, sejam carnais tantos anseios,
Palpitações e frêmitos e enleios,
Das harpas da emoção tantos arpejos…

Sonhos, que vão, por trêmulos adejos,
A noite, ao luar, intumescer os seios
Lácteos, de finos e azulados veios
De virgindade, de pudor, de pejos…

Sejam carnais todos os sonhos brumos
De estranhos, vagos, estrelados rumos
Onde as Visões do amor dormem geladas…

Sonhos, palpitações, desejos e ânsias
Formem, com claridades e fragrâncias,
A encarnação das lívidas Amadas!

Publicações relacionadas

A educação pela pedra A educação pela pedra (João Cabral de Melo Neto) Uma educação pela pedra: por...
Leve Leve (Alberto Caeiro) De O Guardado...
Tietê Tietê (Mário de Andrade) Era uma vez um rio... Porém os Borbas-Gatos dos ult...
O Poeta do Hediondo O Poeta do Hediondo (Augusto dos Anjos) Tinha no olhar cetíneo, aveludado, A...

Deixe uma resposta