A dor

Print Friendly, PDF & Email

A dor (Cruz e Souza)

Torva Babel das lágrimas, dos gritos,
Dos soluços, dos ais, dos longos brados,
A Dor galgou os mundos ignorados,
Os mais remotos, vagos infinitos.

Lembrando as religiões, lembrando os ritos,
Avassalara os povos condenados,
Pela treva, no horror, desesperados,
Na convulsão de Tântalos aflitos.

Por buzinas e trompas assoprando
As gerações vão todas proclamando
A grande Dor aos frígidos espaços…

E assim parecem, pelos tempos mudos,
Raças de Prometeus titânios, rudos,
Brutos e colossais, torcendo os braços!

Publicações relacionadas

Noite carioca Noite carioca (Ana Cristina Cesar) Diálogo de surdos, não: amistoso no frio. ...
El mañana efímero El mañana efímero (Antonio Machado) A Roberto Castrovido La España de ...
Eu Eu (Paulo Leminski) eu quando olho nos olhos sei quando uma pessoa e...
Morrer no Rio de Janeiro Morrer no Rio de Janeiro (Ferreira Gullar) Se for março quando o verão ...

Deixe uma resposta