A dor

Print Friendly, PDF & Email

A dor (Cruz e Souza)

Torva Babel das lágrimas, dos gritos,
Dos soluços, dos ais, dos longos brados,
A Dor galgou os mundos ignorados,
Os mais remotos, vagos infinitos.

Lembrando as religiões, lembrando os ritos,
Avassalara os povos condenados,
Pela treva, no horror, desesperados,
Na convulsão de Tântalos aflitos.

Por buzinas e trompas assoprando
As gerações vão todas proclamando
A grande Dor aos frígidos espaços…

E assim parecem, pelos tempos mudos,
Raças de Prometeus titânios, rudos,
Brutos e colossais, torcendo os braços!

Publicações relacionadas

O dorminhoco do vale O dorminhoco do vale (Arthur Rimbaud) Tradução de Rodrigo Solano Era um ...
Veinte poemas de amor y una ca... Veinte poemas de amor y una canción desesperada - 08 (Pablo Neruda) Abeja bla...
Exausto Exausto (Adélia Prado) Eu quero uma licença de dormir, perdão pra descansa...
Versos Versos (Antero de Quental) (escritos num exemplar das...

Deixe uma resposta