Uma Noite no Cairo

Print Friendly, PDF & Email

Uma Noite no Cairo (Augusto dos Anjos)

Noite no Egito. O céu claro e profundo
Fulgura. A rua é triste. A Lua Cheia
Está sinistra, e sobre a paz do mundo
A alma dos Faraós anda e vagueia.

Os mastins negros vão ladrando à lua..
O Cairo é de uma formosura arcaica.
No ângulo mais recôndito da rua
Passa cantando uma mulher hebraica.

O Egito é sempre assim quando anoitece!
Às vezes, das pirâmides o quêdo
E atro perfil, exposto ao luar, parece
Uma sombria interjeição de medo!

Como um contraste àqueles misereres,
Num quiosque em festa alegre turba grita,
E dentro dançam homens e mulheres
Numa aglomeração cosmopolita.

Tonto do vinho, um saltimbanco da Ásia,
Convulso e roto, no apogeu da fúria,
Executando evoluções de razzía
Solta um brado epiléptico de injúria!

Em derredor duma ampla mesa preta
— Ultima nota do conúbio infando —
Vêem-se dez jogadores de roleta
Fumando, discutindo, conversando.

Resplandece a celeste superfície.
Dorme soturna a natureza sábia…
Em baixo, na mais próxima planície,
Pasta um cavalo esplêndido da Arábia.

Vaga no espaço um silfo solitário.
Troam kinnors! Depois tudo é tranqüilo…
Apenas como um velho stradivário,
Soluça toda a noite a água do Nilo!

Publicações relacionadas

Correspondências Correspondências (Charles Pierre Baudelaire) A natureza é um templo em que vi...
A alma do vinho A alma do vinho (Charles Pierre Baudelaire) ...
Curriculum Curriculum (Mario Benedetti) El cuento es muy sencillo usted nace contemp...
Epigrama (Veneza, 1790) Epigrama (Veneza, 1790) (Johann Wofgang von Goethe) "Maus, para a esquerda!" ...

Deixe uma resposta