Qualquer pano, quando está sujo

Print Friendly, PDF & Email

Qualquer pano, quando está sujo (Bertold Brecht)

Qualquer pano, quando está sujo
Fica branco, quando é lavada.
Mas olhando-o contra o sol
Vê-se logo que está manchado.

Publicações relacionadas

Um Renque de Árvores Um Renque de Árvores (Alberto Caeiro) ...
Versos de orgulho Versos de orgulho (Florbela Espanca) O mundo quer-me mal porque ninguém Tem ...
Ofélia Ofélia (Arthur Rimbaud) Tradução de Jorge Wanderley ...
Pensar em Deus Pensar em Deus (Alberto Caeiro) De O ...

Deixe uma resposta