Homo Infimus

Print Friendly, PDF & Email

Homo Infimus (Augusto dos Anjos)

Homem, carne sem luz, criatura cega,
Realidade geográfica infeliz,
O Universo calado te renega
E a tua própria boca te maldiz!

O nôumeno e o fenômeno, o alfa e o omega
Amarguram-te. Hebdômadas hostis
Passam… Teu coração se desagrega,
Sangram-te os olhos, e, entretanto, ris!

Fruto injustificável dentre os frutos,
Montão de estercorária argila preta,
Excrescência de terra singular.

Deixa a tua alegria aos seres brutos,
Porque, na superfície do planeta,
Tu só tens um direito: — o de chorar!

Publicações relacionadas

A plenos pulmões A plenos pulmões (Vladmir Maiakowski) Tradução ...
Los hombres Los hombres (Pablo Neruda) Como la copa de la arcilla era la raza mineral, ...
A flor do embiroçu A flor do embiroçu(Machado de Assis) Noite, melhor que o dia, quem não te a...
Fausto – Parte I (1806) ... Fausto - Parte I (1806) - resumo (Johann Wofgang von Goethe) A sede de onipot...

Deixe uma resposta