Homo Infimus

Print Friendly, PDF & Email

Homo Infimus (Augusto dos Anjos)

Homem, carne sem luz, criatura cega,
Realidade geográfica infeliz,
O Universo calado te renega
E a tua própria boca te maldiz!

O nôumeno e o fenômeno, o alfa e o omega
Amarguram-te. Hebdômadas hostis
Passam… Teu coração se desagrega,
Sangram-te os olhos, e, entretanto, ris!

Fruto injustificável dentre os frutos,
Montão de estercorária argila preta,
Excrescência de terra singular.

Deixa a tua alegria aos seres brutos,
Porque, na superfície do planeta,
Tu só tens um direito: — o de chorar!

Publicações relacionadas

La Lluvia La Lluvia (Jorge Luis Borges) Bruscamente la tarde se ha aclarado Porque ya...
Lésbia Lésbia (Cruz e Souza) Cróton selvagem, tinhorão lascivo, Planta m...
Tema e voltas Tema e voltas (Manuel Bandeira) Mas para quê Tanto sofrimento, Se nos céus ...
A um poeta A um poeta (Antero de Quental) d...

Deixe uma resposta