Pálida à Luz

Print Friendly, PDF & Email

Pálida à Luz (Álvares de Azevedo)
Pálida à luz da lâmpada sombria,
Sobre o leito de flores reclinada,
Como a lua por noite embalsamada,
Entre as nuvens do amor ela dormia!

Era a virgem do mar, na escuma fria
Pela maré das águas embalada!
Era um anjo entre nuvens d’alvorada
Que em sonhos se banhava e se esquecia!

Era mais bela! o seio palpitando
Negros olhos as pálpebras abrindo
Formas nuas no leito resvalando

Não te rias de mim, meu anjo lindo!
Por ti — as noites eu velei chorando,
Por ti — nos sonhos morrerei sorrindo!

Publicações relacionadas

Paisagem N.º 1 Paisagem N.º 1 (Mário de Andrade) Minha Londres das neblinas finas! Pleno ve...
O Último poema O Último poema (Manuel Bandeira) Assim eu quereria o meu último poema Que f...
Preceito 10 Preceito 10 (Gregório de Matos) Graças a Deus que cheguei a coroar meus d...
Il Trovatore Il Trovatore (Augusto dos Anjos) Canta da torre o trovador saudoso - Addio...

Deixe uma resposta