Pálida à Luz

Print Friendly, PDF & Email

Pálida à Luz (Álvares de Azevedo)
Pálida à luz da lâmpada sombria,
Sobre o leito de flores reclinada,
Como a lua por noite embalsamada,
Entre as nuvens do amor ela dormia!

Era a virgem do mar, na escuma fria
Pela maré das águas embalada!
Era um anjo entre nuvens d’alvorada
Que em sonhos se banhava e se esquecia!

Era mais bela! o seio palpitando
Negros olhos as pálpebras abrindo
Formas nuas no leito resvalando

Não te rias de mim, meu anjo lindo!
Por ti — as noites eu velei chorando,
Por ti — nos sonhos morrerei sorrindo!

Publicações relacionadas

Parábola Parábola (Antonio Machado) Erase de un marinero que hizo un jardín junto al ...
Cartas de meu avô Cartas de meu avô (Manuel Bandeira) A tarde cai, por demais Erma, úmida e si...
Passou a Diligência Passou a Diligência (Alberto Caeiro) ...
Preparação para a morte Preparação para a morte (Manuel Bandeira) A vida é um milagre. Cada flor, C...

Deixe uma resposta