Nada, esta espuma

Print Friendly, PDF & Email

Nada, esta espuma (Ana Cristina Cesar)

Por afrontamento do desejo
insisto na maldade de escrever
mas não sei se a deusa sobe à superfície
ou apenas me castiga com seus uivos.
Da amurada deste barco
quero tanto os seios da sereia.

Publicações relacionadas

Apocalipse Apocalipse (Augusto dos Anjos) Minha divinatória Arte ultrapassa os séculos ...
Monja Monja (Cruz e Souza) Ó Lua, Lua triste, amargurada, Fantasma de b...
Noite morta Noite morta (Manuel Bandeira) Noite morta. Junto ao poste de iluminação Os ...
Veinte poemas de amor y una ca... Veinte poemas de amor y una canción desesperada - 06 (Pablo Neruda) Te recuer...

Deixe uma resposta