Nada, esta espuma

Print Friendly, PDF & Email

Nada, esta espuma (Ana Cristina Cesar)

Por afrontamento do desejo
insisto na maldade de escrever
mas não sei se a deusa sobe à superfície
ou apenas me castiga com seus uivos.
Da amurada deste barco
quero tanto os seios da sereia.

Publicações relacionadas

Trindade Trindade (Álvares de Azevedo) A vida é uma planta misteriosa Cheia d’espinho...
Velhas tristezas Velhas tristezas (Cruz e Souza) Diluências de luz, velhas tristezas ...
Com licença poética Com licença poética (Adélia Prado) Quando nasci um anjo esbelto, desses que ...
La biblioteca total La biblioteca total (Jorge Luis Borges) El capricho o imaginación o utopía de...

Deixe uma resposta