Alguém

Print Friendly, PDF & Email

Alguém (Jorge Luis Borges)

Tradução

Um homem trabalhado pelo tempo,
um homem que nem sequer espera a morte
(as provas da morte são estatísticas
e não há a quem não ninguém o desejo
de ser o primeiro imortal).
um homem que aprendeu a agradecer
as modestas esmolas dos dias:
o sonho, a rotina, o sabor da água,
uma insuspeitada etimologia,
um verso latino o saxônio,
a memória de uma mulher que o há abandonado
faz já tantos anos
que hoje pode recordar-se sem amargura,
um homem que não ignora que o presente
já é o porvir e o esquecimento,
um homem que há sido desleal
e com os que foram desleais,
pode sentir de imediato, ao cruzar a rua,
uma misteriosa felicidade
que não vem do lado da esperança
mas sim de uma antiga inocência,
de sua própria raiz ou de um deus disperso.
.
Sabe que não se deve olha-la de perto,
porque há razões mais terríveis que tigres
que lhe demonstram sua obrigação
de ser um desditado,
mas humilde recebe
essa felicidade, essa ráfaga.
.
Quem sabe na morte para sempre seremos,
quando o pó seja pó,
essa indecifrável raiz,
da qual para sempre crescerá,
equânime o atroz,
nosso solitário céu ou inferno

Publicações relacionadas

O que diz a morte O que diz a morte (Antero de Quental) Deixai-os vir a mim, os que lidaram; D...
Tristezas da lua Tristezas da lua (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Martins Fontes ...
Caña Caña (Nicolás Guillén) De Sóngoro cosongo El negr...
Coito Coito (Ferreira Gullar) Todos os movimentos do amor são noturn...

Deixe uma resposta