Um paiá de Monai, bonzo bramá

Print Friendly, PDF & Email

Um paiá de Monai, bonzo bramá (Gregório de Matos)

Um paiá de Monai, bonzo bramá
Primaz da cafraria do Pegu,
Quem sem ser do Pequim, por ser do Acu,
Quer ser filho do sol, nascendo cá.
Tenha embora um avô nascido lá,
Cá tem tres pela costa do Cairu,
E o principal se diz Paraguaçu,
Descendente este tal de um Guinamá.
Que é fidalgo nos ossos cremos nós,
Pois nisso consistia o mor brasão
Daqueles que comiam seus avós.
E como isto lhe vem por geração,
Tem tomado por timbre em seus teirós
Morder nos que provêm de outra nação.

Publicações relacionadas

Os poemas Os poemas (Mário Quintana) Os poemas são pássaros que chegam não se sabe de ...
A Exceção e a Regra A Exceção e a Regra (Bertold Brecht) Estranhem o que não for estranho. Tomem...
Minha Finalidade Minha Finalidade (Augusto dos Anjos) Turbilhão teleológico incoercível, Que ...
Os dias da Comuna Os dias da Comuna (Bertold Brecht) Traduçã...

Deixe uma resposta