Aos caramurus da Bahia

Print Friendly, PDF & Email

Aos caramurus da Bahia (Gregório de Matos)

Um calção de pindoba à meia zorra
Camisa de urucu, mantéu de arara,
Em lugar de cotó arco e taquara
Penacho de guarás em vez de gorra.
Furado o beiço, e sem temor que morra
O pai, que lho envasou cuma titara
Porém a Mãe a pedra lhe aplicara
Por reprimir-lhe o sangue que não corra.
Alarve sem razão, bruto sem fé,
Sem mais leis que a do gosto, quando erra
De Paiaiá tornou-se em abaité.
Não sei onde acabou, ou em que guerra:
Só sei que deste Adão de Massapé
Procedem os fidalgos desta terra.

Publicações relacionadas

Balada Balada (Florbela Espanca) Amei-te muito, e eu creio que me quiseste Também p...
Arte poética Arte poética (Mario Benedetti) Do livro "Per...
Infeliz Infeliz (Augusto dos Anjos) Alma viúva das paixões da vida, Tu que, na estra...
A morte de Rubén Darío A morte de Rubén Darío (Antonio Machado) Tradução Se era toda em teu verso...

Deixe uma resposta