Aos caramurus da Bahia

Print Friendly, PDF & Email

Aos caramurus da Bahia (Gregório de Matos)

Um calção de pindoba à meia zorra
Camisa de urucu, mantéu de arara,
Em lugar de cotó arco e taquara
Penacho de guarás em vez de gorra.
Furado o beiço, e sem temor que morra
O pai, que lho envasou cuma titara
Porém a Mãe a pedra lhe aplicara
Por reprimir-lhe o sangue que não corra.
Alarve sem razão, bruto sem fé,
Sem mais leis que a do gosto, quando erra
De Paiaiá tornou-se em abaité.
Não sei onde acabou, ou em que guerra:
Só sei que deste Adão de Massapé
Procedem os fidalgos desta terra.

Publicações relacionadas

Desta vez não vai ter neve Desta vez não vai ter neve (Paulo Leminski) desta vez não vai ter neve como e...
De Que Serve a Bondade De Que Serve a Bondade (Bertold Brecht) 1 De que serve a bondade Se os bons...
O descalabro a ócio e estrelas... O descalabro a ócio e estrelas... (Álvaro de Campos) O descalabro a ócio e es...
As meninas da gare As meninas da gare (Oswald de Andrade) Eram três ou quatro moças bem moças e ...

Deixe uma resposta