Aos caramurus da Bahia

Print Friendly, PDF & Email

Aos caramurus da Bahia (Gregório de Matos)

Um calção de pindoba à meia zorra
Camisa de urucu, mantéu de arara,
Em lugar de cotó arco e taquara
Penacho de guarás em vez de gorra.
Furado o beiço, e sem temor que morra
O pai, que lho envasou cuma titara
Porém a Mãe a pedra lhe aplicara
Por reprimir-lhe o sangue que não corra.
Alarve sem razão, bruto sem fé,
Sem mais leis que a do gosto, quando erra
De Paiaiá tornou-se em abaité.
Não sei onde acabou, ou em que guerra:
Só sei que deste Adão de Massapé
Procedem os fidalgos desta terra.

Publicações relacionadas

Distâncias mínimas Distâncias mínimas (Paulo Leminski) um texto morcego se guia por ecos ...
O espectro O espectro (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Theophilo Dias Como es...
A esmola da Dulce A esmola da Dulce (Augusto dos Anjos) E todo o dia eu vou como um perdido De...
Ave Dolorosa Ave Dolorosa (Augusto dos Anjos) Ave perdida para sempre - crença Perdida - ...

Deixe uma resposta