Il Trovatore

Print Friendly, PDF & Email

Il Trovatore (Augusto dos Anjos)

Canta da torre o trovador saudoso –
Addio, Eleonora! Oh! sonhos meus!
E o canto se desprende harmonioso
Na vibração final do extremo adeus.
Repercute, dolente, mavioso,
Subindo pelo Azul da Inspiração;
Assim canta também meu coração,
Trovador torturado e angustioso.

Ai! não, não acordeis, lembranças minhas!
Saudades d’umas noutes em que vinhas
Cantar comigo em doce desafio!

Mas, pouco a pouco, os sons esmorecendo,
Perdem-se as notas pelo Azul morrendo,
– Addio, Eleonora, addio, addio!

Publicações relacionadas

Num Meio-Dia de Fim de Primave... Num Meio-Dia de Fim de Primavera (Alberto Caeiro) ...
Se minhas mãos pudessem desfol... Se minhas mãos pudessem desfolhar (Federico Garcia Lorca) ...
O Pântano O Pântano (Augusto dos Anjos) No alheamento da obscura forma humana, De que...
Como árvores Como árvores (Mario Benedetti) Do livro "Inve...

Deixe uma resposta