Il Trovatore

Print Friendly, PDF & Email

Il Trovatore (Augusto dos Anjos)

Canta da torre o trovador saudoso –
Addio, Eleonora! Oh! sonhos meus!
E o canto se desprende harmonioso
Na vibração final do extremo adeus.
Repercute, dolente, mavioso,
Subindo pelo Azul da Inspiração;
Assim canta também meu coração,
Trovador torturado e angustioso.

Ai! não, não acordeis, lembranças minhas!
Saudades d’umas noutes em que vinhas
Cantar comigo em doce desafio!

Mas, pouco a pouco, os sons esmorecendo,
Perdem-se as notas pelo Azul morrendo,
– Addio, Eleonora, addio, addio!

Publicações relacionadas

Refletindo sobre o inferno Refletindo sobre o inferno (Bertold Brecht) Refletindo, ouço dizer, sobre o i...
Romance de la guardia civil es... Romance de la guardia civil española (Federico Garcia Lorca) ...
Coração Couraça Coração Couraça (Mario Benedetti) Do livro "...
Del pasado efímero Del pasado efímero (Antonio Machado) Este hombre del casino provinciano que ...

Deixe uma resposta