Bacanal

Print Friendly, PDF & Email

Bacanal (Manuel Bandeira)

Quero beber! cantar asneiras
No esto brutal das bebedeiras
Que tudo emborca e faz em caco…
Evoé Baco!

Lá se me parte a alma levada
No torvelim da mascarada.
A gargalhar em doudo assomo…
Evoé Momo!

Lacem-na toda, multicores
As serpentinas dos amores,
Cobras de lívidos venenos…
Evoé Vênus!

Se perguntarem: Que mais queres,
Além de versos e mulheres?…
– Vinhos!… o vinho que é meu fraco!…
Evoé Baco!

O alfanje rútilo da lua,
Por degolar a nuca nua
Que me alucina e que eu não domo!…
Evoé Momo!

A Lira etérea, a grande Lira!…
Por que eu extático desfira
Em seu louvor versos obscenos.
Evoé Vênus!

Publicações relacionadas

Abandonada Abandonada (Augusto dos Anjos) Ao meu irmão Odilon dos Anjos Bem depressa ...
Retrato do artista quando cois... Retrato do artista quando coisa (Manoel de Barros) A maior riqueza do homem ...
Post mortem Post mortem (Augusto dos Anjos) Quando do amor das Formas inefáveis ...
O editor O editor (Álvares de Azevedo) —A poesia transcrita é de Torquato, Desse pob...

Deixe uma resposta