Intimidades

Print Friendly, PDF & Email

Intimidades (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Paulo Cesar Pimentel

Tu és um céu de outono, alegre e cor de rosa!
Mas a tristeza em mim, sombrio mar avança
E deixa, ao refluir, em minha boca ansiosa
De um lodo escuro e amargo a cáustica lembrança.

– A tua mão me afaga o peito; o que ela quer,
Minha amiga, é um lugar que tem sido saqueado
Pela garra acerada e o dente da mulher:
Até meu coração também foi devorado.

Meu coração é templo onde a turba cultua
Todos os crimes vis e os vícios degradantes!
– Um perfume te envolve e pele branca e nua!…

Flagelo de minha alma, ó mulher, por que esperas?
Com teus olhos de fogo, archotes flamejantes,
Calcina o que sobrou do repasto das feras!

Publicações relacionadas

À Beira do Abismo e do Infinit... À Beira do Abismo e do Infinito (Castro Alves) A celeste Africana, a Virgem-N...
Soneto da Fidelidade Soneto da Fidelidade (Vinicius de Moraes De tudo, ao meu amor serei atento ...
As litanias de Satã (2) As litanias de Satã (2) (Charles Pierre Baudelaire) ...
Balada das dez bailarinas do c... Balada das dez bailarinas do cassino (Cecília Meireles) Dez bailarinas desliz...

Deixe uma resposta