Sino partido

Print Friendly, PDF & Email

Sino partido (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Paulo Cesar Pimentel

É tão triste e tão doce, em noites invernosas,
Escutar, junto ao fogo alegre e palpitante,
Dos ecos do passado as vozes dolorosas
Trazidas pelo som de um carrilhão distante.

Feliz do sino que, com notas vigorosas,
Ainda que muito velho, ergue um canto vibrante
E espalha seu cantar nas tardes silenciosas
Qual de uma sentinela o grito penetrante.

Minha alma é como um sino imponente, partido;
E quando quer cantar sob um céu estrelado,
Sua voz mais parece o estertor de um ferido

Cuja vida se esvai pelo sangue que escorre,
E que, sob um montão de mortos esmagado,
Num esforço final, tenta mover-se e morre!

Publicações relacionadas

Minha Finalidade Minha Finalidade (Augusto dos Anjos) Turbilhão teleológico incoercível, Que ...
Ter ou não ter namorado? Ter ou não ter namorado? (Carlos Drummond de Andrade) Quem não tem namorado ...
Pepa Pepa (Antero de Quental) Dá-me pois olhos e lábios; Da-me os seios, da-me o...
A Neve A Neve (Alberto Caeiro) A neve pôs uma toalha calada sobre tudo. N...

Deixe uma resposta