Canção da formosura

Print Friendly, PDF & Email

Canção da formosura (Cruz e Souza)

Vinho de sol ideal canta e cintila
Nos teus olhos, cintila e aos lábios desce,
Desce a boca cheirosa e a empurpurece,
Cintila e canta após dentre a pupila.

Sobe, cantando, a limpidez tranqüila
Da tu’alma estrelada e resplandece,
Canta de novo e na doirada messe
Do teu amor, se perpetua e trila…

Canta e te alaga e se derrama e alaga…
Num rio de ouro, iriante, se propaga
Na tua carne alabastrina e pura.

Cintila e canta na canção das cores,
Na harmonia dos astros sonhadores,
A Canção imortal da Formosura!

Publicações relacionadas

Difícil fotografar o silêncio... Difícil fotografar o silêncio. (Manoel de Barros) Difícil fotografar o silênc...
Conciliação Conciliação (Cruz e Souza) Se essa angústia de amar te crucifica, Não és da ...
Apostrofe à Carne Apostrofe à Carne (Augusto dos Anjos) Quando eu pego nas carnes do meu rosto....
Noturno Noturno (Antero de Quental) Espírito que passas, quando o vento Adormece no ...

Deixe uma resposta