Canção da formosura

Print Friendly, PDF & Email

Canção da formosura (Cruz e Souza)

Vinho de sol ideal canta e cintila
Nos teus olhos, cintila e aos lábios desce,
Desce a boca cheirosa e a empurpurece,
Cintila e canta após dentre a pupila.

Sobe, cantando, a limpidez tranqüila
Da tu’alma estrelada e resplandece,
Canta de novo e na doirada messe
Do teu amor, se perpetua e trila…

Canta e te alaga e se derrama e alaga…
Num rio de ouro, iriante, se propaga
Na tua carne alabastrina e pura.

Cintila e canta na canção das cores,
Na harmonia dos astros sonhadores,
A Canção imortal da Formosura!

Publicações relacionadas

Poema com absorvências Poema com absorvências (Adélia Prado) Poema com absorvências no totalmeute p...
Piedra de sol Piedra de sol (Octavio Paz) La treizième revient...c’est encor la première; ...
A donzela e o fantasma –... A donzela e o fantasma - I (Oscar Wilde) CAPÍTULO I Quando mister Hiram B. O...
Oração Oração (Henry David Thoreau) Senhor! Não vos peço riqueza menor Do que a de ...

Deixe uma resposta