Canção da formosura

Print Friendly, PDF & Email

Canção da formosura (Cruz e Souza)

Vinho de sol ideal canta e cintila
Nos teus olhos, cintila e aos lábios desce,
Desce a boca cheirosa e a empurpurece,
Cintila e canta após dentre a pupila.

Sobe, cantando, a limpidez tranqüila
Da tu’alma estrelada e resplandece,
Canta de novo e na doirada messe
Do teu amor, se perpetua e trila…

Canta e te alaga e se derrama e alaga…
Num rio de ouro, iriante, se propaga
Na tua carne alabastrina e pura.

Cintila e canta na canção das cores,
Na harmonia dos astros sonhadores,
A Canção imortal da Formosura!

Publicações relacionadas

Horas vivas Horas vivas (Machado de Assis) Noite: abrem-se as flores . . . Que esplend...
El Suicida El Suicida (Jorge Luis Borges) No quedará en la noche una estrella. No qued...
A vida escolástica A vida escolástica (Gregório de Matos) Mancebo sem dinheiro, bom barrete Med...
Aos Meus Filhos Aos Meus Filhos (Augusto dos Anjos) Na intermitência da vital canseira, Sois...

Deixe uma resposta