A peste

Print Friendly, PDF & Email

A peste (Augusto dos Anjos)

Filha da raiva de Jeová – a Peste
N’um insano ceifar que aterra e espanta,
De espaço a espaço sepulturas planta
E em cada coração planta um cipreste!

Exulta o Eterno e… tudo chora, tudo!
Quando Ela passa, semeando a Morte,
Todos dizem co’os olhos para a Sorte
– É o castigo de Deus que passa mudo!

– Fúlgido foco de escaldantes brasas
– O sol a segue, e a Peste ri-se, enquanto
Vai devastando o coração das casas…

E como o sol que a segue e deixa um rastro
De luz em tudo, ela, como o sol – o astro –
Deixa um rastro de luto em cada canto!

Publicações relacionadas

Tristezas da lua Tristezas da lua (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Martins Fontes ...
Viagem de um vencido Viagem de um vencido (Augusto dos Anjos) Noite. Cruzes na estrada. Aves com f...
Il Trovatore Il Trovatore (Augusto dos Anjos) Canta da torre o trovador saudoso - Addio...
Vagabundo Vagabundo (Álvares de Azevedo) "Eat, drink, and love; what can the rest avail...

Deixe uma resposta