A peste

Print Friendly, PDF & Email

A peste (Augusto dos Anjos)

Filha da raiva de Jeová – a Peste
N’um insano ceifar que aterra e espanta,
De espaço a espaço sepulturas planta
E em cada coração planta um cipreste!

Exulta o Eterno e… tudo chora, tudo!
Quando Ela passa, semeando a Morte,
Todos dizem co’os olhos para a Sorte
– É o castigo de Deus que passa mudo!

– Fúlgido foco de escaldantes brasas
– O sol a segue, e a Peste ri-se, enquanto
Vai devastando o coração das casas…

E como o sol que a segue e deixa um rastro
De luz em tudo, ela, como o sol – o astro –
Deixa um rastro de luto em cada canto!

Publicações relacionadas

Último Soneto Último Soneto (Álvares de Azevedo) Já da noite o palor me cobre o rosto,...
A uma prostituta respeitosa A uma prostituta respeitosa (Walt Whitman) Tranquilize-se, fique à vontade co...
Piedra de sol Piedra de sol (Octavio Paz) La treizième revient...c’est encor la première; ...
A invenção de um modo A invenção de um modo (Adélia Prado) Entre paciência e fama quero as duas, ...

Deixe uma resposta