A Dança da Psiquê

Print Friendly, PDF & Email

A Dança da Psiquê (Augusto dos Anjos)

A dança dos encéfalos acesos
Começa. A carne é fogo. A alma arde. A espaços
As cabeças, as mãos, os pés e os braços
Tombara, cedendo à ação de ignotos pesos!

É então que a vaga dos instintos presos
— Mãe de esterilidades e cansaços —
Atira os pensamentos mais devassos
Contra os ossos cranianos indefesos.

Subitamente a cerebral coréa
Pára. O cosmos sintético da Idéa
Surge. Emoções extraordinárias sinto…

Arranco do meu crânio as nebulosas.
E acho um feixe de forças prodigiosas
Sustentando dois monstros: a alma e o instinto!

Publicações relacionadas

Já me matei faz muito tempo Já me matei faz muito tempo (Paulo Leminski) já me matei faz muito tempo ...
Salário Salário (Mario Benedetti) Do livro "Poemas do...
A plenos pulmões A plenos pulmões (Vladmir Maiakowski) Tradução ...
Passa uma Borboleta Passa uma Borboleta (Alberto Caeiro) ...

Deixe uma resposta