Soneto de intimidade

Print Friendly, PDF & Email

Soneto de intimidade (Vinicius de Moraes

Nas tardes da fazenda há muito azul demais.
Eu saio às vezes, sigo pelo pasto agora
Mastigando um capim, o peito nu de fora
No pijama irreal de há três anos atrás.
Desço o rio no vau dos pequenos canais
Para ir beber na fonte a água fria e sonora
E se encontro no mato o rubro de uma aurora
Vou cuspindo-lhe o sangue em torno dos currais.

Fico ali respirando o cheiro bom do estrume
Entre as vacas e os bois que me olham sem ciúme
E quando por acaso uma mijada ferve

Seguida de um olhar não sem malícia e verve
Nós todos, animais sem comoção nenhuma
Mijamos em comum numa festa de espuma.

Publicações relacionadas

Vegetaciones Vegetaciones (Pablo Neruda) A las tierras sin nombres y sin números bajaba e...
A alma do vinho A alma do vinho (Charles Pierre Baudelaire) ...
Navio que Partes Navio que Partes (Alberto Caeiro) Navio que partes para longe, Por que é ...
Das utopias Das utopias (Mário Quintana) Se as coisas são inatingíveis... ora! não é m...

Deixe uma resposta