Abismo

Print Friendly, PDF & Email

Abismo (Fernando Pessoa)

Olho o Tejo, e de tal arte
Que me esquece olhar olhando,
E súbito isto me bate
De encontro ao devaneando —
O que é sério, e correr?
O que é está-lo eu a ver?

Sinto de repente pouco,
Vácuo, o momento, o lugar.
Tudo de repente é oco —
Mesmo o meu estar a pensar.
Tudo — eu e o mundo em redor —
Fica mais que exterior.

Perde tudo o ser, ficar,
E do pensar se me some.
Fico sem poder ligar
Ser, idéia, alma de nome
A mim, à terra e aos céus…

E súbito encontro Deus.

Publicações relacionadas

Lembrem de mim Lembrem de mim (Paulo Leminski) lembrem de mim como de um que ouvia a chu...
Os deslimites da palavra Os deslimites da palavra (Manoel de Barros) Ando muito completo de vazios. M...
O Pântano O Pântano (Augusto dos Anjos) No alheamento da obscura forma humana, De que...
Não me fechem as portas Não me fechem as portas (Walt Whitman) Não me fechem as portas, orgulhosas b...

Deixe uma resposta