O sol

Print Friendly, PDF & Email

O sol (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Fontoura Xavier

Quando pelo arrabalde as persianas descidas
Velam de madrugada sobre as casas adormecidas
E mal desperto o sol, com seus raios amigos,
Bate já os choupais, os caminhos e os trigos,

Gosto de me entregar aos assaltos de esgrima
E acontece, ao cair a fundo sobre a rima,
Aos encontrões num verbo, aos pulos no valado,
Colher um verso em flor a séculos sonhado.

O sol, o bom sol, tem coisas deliciosas;
Desperta nos tojais os versos e as rosas,
Espanca a sombra, a treva e, semeando às mãos cheias,
Enche os panais de mel e os cérebros de idéias.

É ele quem transforma as grandes revoadas
Dos pássaros do ar em estrofes cantadas,
Quem põem dentro de nós as ânsias do porvir
E a todos faz amar, reviver e florir.

Quando vem como rei, no inverno, aos povoados,
Faz então ainda mais do que faz pelos prados:
Queima o manto real e com as chamas se cobre
O palácio do rico e a lareira do pobre.

Publicações relacionadas

O Coveiro O Coveiro (Augusto dos Anjos) Uma tarde de abril suave e pura Visitava eu ...
Quando analiso a conquistada f... Quando analiso a conquistada fama (Walt Whitman) Quando analiso a conquistad...
Quando olho para mim não me pe... Quando olho para mim não me percebo (Álvaro de Campos) Quando olho para mim n...
Mágoas Mágoas (Augusto dos Anjos) Quando nasci, num mês de tantas flores, Todas mu...

Deixe uma resposta