Começa a ir ser dia

Print Friendly, PDF & Email

Começa a ir ser dia (Fernando Pessoa)

Começa a ir ser dia,
O céu negro começa,
Numa menor negrura
Da sua noite escura,
A Ter uma cor fria
Onde a negrura cessa.
Um negro azul-cinzento
Emerge vagamente
Deonde o oriente dorme
Seu tardo sono informe,
E há um frio sem vento
Que se ouve e mal se sente.

Mas eu, o mal-dormido,
Não sinto noite ou frio,
Nem sinto vir o dia
Da solidão vazia.
Só sinto o indefinido
Do coração vazio.

Em vão o dia chega
Quem não dorme, a quem
Não tem que ter razão
Dentro do coração,
Que quando vive nega
E quando ama não tem.

Em vão, em vão, e o céu
Azula-se de verde
Acinzentadamente.
Que é isto que a minha alma sente ?
Nem isto, não, nem eu,
Na noite que se perde.

Publicações relacionadas

A dança da psique A dança da psique (Augusto dos Anjos) A dança dos encéfalos acesos Começa. A...
Digo que não sou um homem puro... Digo que não sou um homem puro (Nicolás Guillén) ...
Elevação Elevação (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Eduardo Guimarães So...
Da inquieta esperança Da inquieta esperança (Mário Quintana) Bem sabes Tu, Senhor, que o bem melh...

Deixe uma resposta