Árvores do Alentejo

Print Friendly, PDF & Email

Árvores do Alentejo (Florbela Espanca)

Horas mortas… curvadas aos pés do Monte
A planície é um brasido… e, torturadas,
As árvores sangrentas, revoltadas,
Gritam a Deus a bênção duma fonte!

E quando, manhã alta, o sol postonte
A oiro a giesta, a arder, pelas estradas,
Esfíngicas, recortam desgrenhadas
Os trágicos perfis no horizonte!

Árvores! Corações, almas que choram,
Almas iguais à minha, almas que imploram
Em vão remédio para tanta mágoa!

Árvores! Não choreis! Olhai e vede:
-Também ando a gritar, morta de sede,
Pedindo a Deus a minha gota de água!

Publicações relacionadas

Os antigos invocavam as Musas Os antigos invocavam as Musas (Álvaro de Campos) Os antigos invocavam as Musa...
Spleen e Charutos Spleen e Charutos (Álvares de Azevedo) I SOLIDÃO Nas nuvens cor de cinz...
Canto da estrada real – ... Canto da estrada real - 15 (Walt Whitman) Traduçã...
As cousas do mundo As cousas do mundo (Gregório de Matos) Neste mundo é mais rico o que mais ra...

Deixe uma resposta