O gosto do nada

Print Friendly, PDF & Email

O gosto do nada (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Guilherme de Almeida

Morno espírito, antigamente afeito à luta,
A Esperança, que te esporeava outrora o ardor,
Não te cavalga mais! Deita-te sem pudor,
Cavalo que tropeça em tudo e em vão reluta.

Dorme, ó meu coração; desiste, ó massa bruta!

Espírito vencido, em ti, velho impostor,
Já não tem gosto o amor, nem o tem a disputa;
Não mais a voz do cobre ou da flauta escuta!
Deixa esta alma sombria, o Prazer tentador!

Perdeu a Primavera o seu cheiro de flor.

E o tempo me devora em marcha resoluta,
Como a ampla neve um corpo rijo de torpor;
Contemplo do alto o globo túmido e incolor;
E nele nem procuro o abrigo de uma gruta!

Vais levar-me, alavanca, em tua queda abrupta?

Publicações relacionadas

O menino doente O menino doente (Manuel Bandeira) O menino dorme. Para que o menino Durm...
Brisa Brisa (Manuel Bandeira) Vamos viver no Nordeste, Anarina. Deixarei aqui meu...
Penachos vívidos Penachos vívidos (José Martí) Como taza en que hierve Ora en carreras locas, ...
Elegia Elegia (Nicolás Guillén) De "El ...

Deixe uma resposta