não creio

Print Friendly, PDF & Email

não creio (Paulo Leminski)

do livro “Caprichos e Relaxos.”

que fosse maior
a dor de dante
que a dor
que este dente
de agora em diante
sente

não creio
que joyce
visse mais numa palavra
mais do que fosse
que nesta pasárgada
ora foi-se

tampouco creio
que mallarmé
visse mais
que esse olho
nesse espelho
agora
nunca
me vê.

Publicações relacionadas

Com os mortos Com os mortos (Antero de Quental) ...
Lua Lua (Cruz e Souza) Clâmides frescas, de brancuras frias, Finíssim...
Poema Negro Poema Negro (Augusto dos Anjos) ...
O que diz a morte O que diz a morte (Antero de Quental) Deixai-os vir a mim, os que lidaram; D...

Deixe uma resposta