Na rua em funeral ei-la que passa

Print Friendly, PDF & Email

Na rua em funeral ei-la que passa (Augusto dos Anjos)

Soneto

(Lendo o “Poema de Maio”)

Na rua em funeral ei-la que passa,
A romaria eterna dos aflitos,
A procissão dos tristes, dos proscritos,
Dos romeiros saudosos da desgraça.

E na choça a lamúria que traspassa
O coração, além, ânsias e gritos
De mães que arquejam sobre os probrezitos
Filhos que a Fome derrubou na praça.

Entre todos, porém, lânguida e bela,
Da juventude a virginal capela
A lhe cingir de luz a fronte baça,

Vai Corina mendiga e esfarrapada,
A alma saudosa pelo amor vibrada,
– A Stella Matutina da Desgraça!

Publicações relacionadas

Acredite apenas Acredite apenas (Bertold Brecht) Acredite apenas no que seus olhos vêem e seu...
Pouco a Pouco Pouco a Pouco (Alberto Caeiro) Pouco a pouco o campo se alarga e se doura. ...
O rio O rio (João Cabral de Melo Neto) ou relação da viagem que faz o Capibaribe...
Natureza Íntima Natureza Íntima (Augusto dos Anjos) Ao filósofo Farias Brito Cansada de obse...

Deixe uma resposta