Na rua em funeral ei-la que passa

Print Friendly, PDF & Email

Na rua em funeral ei-la que passa (Augusto dos Anjos)

Soneto

(Lendo o “Poema de Maio”)

Na rua em funeral ei-la que passa,
A romaria eterna dos aflitos,
A procissão dos tristes, dos proscritos,
Dos romeiros saudosos da desgraça.

E na choça a lamúria que traspassa
O coração, além, ânsias e gritos
De mães que arquejam sobre os probrezitos
Filhos que a Fome derrubou na praça.

Entre todos, porém, lânguida e bela,
Da juventude a virginal capela
A lhe cingir de luz a fronte baça,

Vai Corina mendiga e esfarrapada,
A alma saudosa pelo amor vibrada,
– A Stella Matutina da Desgraça!

Publicações relacionadas

Galope Galope (Rafael Alberti) Las tierras, las tierras, las tierras de España, la...
Asa de Corvo Asa de Corvo (Augusto dos Anjos) Asa de corvos carniceiros, asa De mau agour...
Para um estranho Para um estranho (Walt Whitman) Tradução de Oswaldino Marques Estranho q...
O Utopista O Utopista (Murilo Mendes) Ele acredita que o chão é duro Que todos os homen...

Deixe uma resposta