Às vezes entre a tormenta

Print Friendly, PDF & Email

Às vezes entre a tormenta (Fernando Pessoa)

Às vezes entre a tormenta,
quando já umedeceu,
raia uma nesga no céu,
com que a alma se alimenta.
E às vezes entre o torpor
que não é tormenta da alma,
raia uma espécie de calma
que não conhece o langor.

E, quer num quer noutro caso,
como o mal feito está feito,
restam os versos que deito,
vinho no copo do acaso.

Porque verdadeiramente
sentir é tão complicado
que só andando enganado
é que se crê que se sente.

Sofremos? Os versos pecam.
Mentimos? Os versos falham.
E tudo é chuvas que orvalham
folhas caídas que secam.

Publicações relacionadas

Lágrimas Ocultas Lágrimas Ocultas (Florbela Espanca) Se me ponho a cismar em outras eras Em q...
Livro de Leitura Livro de Leitura (Johann Wofgang von Goethe) O mais singular livro dos livros...
Beatrice Beatrice (Antero de Quental) Nem visao, nem real: amor! amor somente!... Poi...
A Bainha do Punhal A Bainha do Punhal (Castro Alves) Fragmento Salve, noites do Oriente, N...

Deixe uma resposta