Intimidade

Print Friendly, PDF & Email

Intimidade (Antero de Quental)

Quando, sorrindo, vais passando, e toda
Essa gente te mira cobicosa,
Es bela – e se te nao comparo a rosa,
E que a rosa, bem ves, passou de moda…

Anda-me as vezes a cabeca a roda,
Atras de ti tambem, flor caprichosa!
Nem pode haver, na multidao ruidosa,
Coisa mais linda, mais absurda e doida.

Mas e na intimidade e no segredo,
Quando tu coras e sorris a medo,
Que me apraz ver-te e que te adoro, flor!

E nao te quero nunca tanto (ouve isto)
Como quando por ti, por mim, por Cristo, Juras
– mentindo – que me tens amor…

Publicações relacionadas

Minha boemia Minha boemia (Arthur Rimbaud) Traduç...
Veinte poemas de amor y una ca... Veinte poemas de amor y una canción desesperada - 20 (Pablo Neruda) Puedo esc...
A João de Deus A João de Deus (Antero de Quental) Se é lei, que rege o escuro pensamento, S...
Profissão de febre Profissão de febre (Paulo Leminski) Quando chove, Eu chovo, Faz sol, Eu fa...

Deixe uma resposta