Intimidade

Print Friendly, PDF & Email

Intimidade (Antero de Quental)

Quando, sorrindo, vais passando, e toda
Essa gente te mira cobicosa,
Es bela – e se te nao comparo a rosa,
E que a rosa, bem ves, passou de moda…

Anda-me as vezes a cabeca a roda,
Atras de ti tambem, flor caprichosa!
Nem pode haver, na multidao ruidosa,
Coisa mais linda, mais absurda e doida.

Mas e na intimidade e no segredo,
Quando tu coras e sorris a medo,
Que me apraz ver-te e que te adoro, flor!

E nao te quero nunca tanto (ouve isto)
Como quando por ti, por mim, por Cristo, Juras
– mentindo – que me tens amor…

Publicações relacionadas

A água chia no púcaro que elev... A água chia no púcaro que elevo à boca (Alberto Caeiro) A água chia no p...
Um Renque de Árvores Um Renque de Árvores (Alberto Caeiro) ...
Solitário Solitário (Augusto dos Anjos) Como um fantasma que se refugia Na solidão da ...
N’augusta solidão dos cemitéri... N’augusta solidão dos cemitérios (Augusto dos Anjos) Soneto N’augusta soli...

Deixe uma resposta