Hino a deus

Print Friendly, PDF & Email

Hino a deus (Bertold Brecht)

Tradução de Paulo César de Souza
1

No fundo dos vales escuros morrem os famintos.
Mas você lhes mostra o pão e os deixa morrer.
Mas você reina eterno e invisível
Radiante e cruel, sobre o plano infinito.

2

Deixou os jovens morrerem, e os que fruíam a vida
Mas os que desejavam morrer, não permitiu…
Muitos daqueles que agora apodreceram
Acreditavam em você, e morreram confiantes.

3

Deixou os pobres pobres, ano após ano
Porque o desejo deles era mais belo que o seu céu
Infelizmente morreram antes que chegasse com a luz
Morreram bem-aventurados, no entanto e apodreceram imediatamente.

4

Muitos dizem que você não existe e que é melhor assim.
Mas como pode não existir o que pode assim enganar?
Se tantos vivem de você, e de outro modo não poderiam morrer
Diga-me, que importância pode ter então que você não exista?

Publicações relacionadas

Relíquia intima Relíquia intima (Machado de Assis) Ilustríssimo, caro e velho amigo, Sab...
A praça estava cheia A praça estava cheia. (Augusto dos Anjos) Soneto A praça estava cheia. O c...
El limonero El limonero (Antonio Machado) El limonero lánguido suspende una pálida rama...
Vício na fala Vício na fala (Oswald de Andrade) Para dizerem milho dizem mio Para melhor...

Deixe uma resposta