Ideal

Print Friendly, PDF & Email

Ideal (Augusto dos Anjos)

Quero-te assim, formosa entre as formosas,
No olhar d’amor a mística fulgência
E o misticismo cândido das rosas,
Plena de graça, santa de inocência!

Anjo de luz de astral aurifulgência,
Etéreo como as Wilis vaporosas,
Embaladas no albor da adolescência,
– Virgens filhas das virgens nebulosas!

Quero-te assim, formosa, entre esplendores,
Colmado o seio de virentes flores,
A alma diluída em eterais cismares…

Quero-te assim – e que bendita sejas
Como as aras sagradas das igrejas,
Como o Cristo sagrado dos altares.

Publicações relacionadas

As meninas da gare As meninas da gare (Oswald de Andrade) Eram três ou quatro moças bem moças e ...
Os poemas Os poemas (Mário Quintana) Os poemas são pássaros que chegam não se sabe de ...
O Espelho O Espelho (Alberto Caeiro) O espelho reflecte certo; não erra porque não pe...
Eu, eu mesmo… Eu, eu mesmo... (Álvaro de Campos) Eu, eu mesmo... Eu, cheio de todos os can...

Deixe uma resposta