Ilusão

Print Friendly, PDF & Email

Ilusão (Augusto dos Anjos)

Dizes que sou feliz. Não mentes. Dizes
Tudo que sentes. A infelicidade
Parece às vezes com a felicidade
E os infelizes mostram ser felizes!

Assim, em Tebas – a tumbal cidade,
A múmia de um herói do tempo de Ísis,
Ostenta ainda as mesmas cicatrizes
Que eternizaram sua heroicidade!

Quem vê o herói, inda com o braço altivo,
Diz que ele não morreu, diz que ele é vivo,
E, persuadido fica do que diz…

Bem como tu, que nessa crença infinda
Feliz me viste no Passado, e ainda
Te persuades de que sou feliz!

Publicações relacionadas

Confusão do festejo do entrudo... Confusão do festejo do entrudo (Gregório de Matos) Filhós, fatias, sonhos, ma...
Lento mas vem Lento mas vem (Mario Benedetti) Do livro "Pe...
Quem me Dera Quem me Dera (Alberto Caeiro) De O ...
Sentimento do Mundo Sentimento do Mundo (Carlos Drummond de Andrade) Tenho apenas duas mãos e o...

Deixe uma resposta