Ilusão

Print Friendly, PDF & Email

Ilusão (Augusto dos Anjos)

Dizes que sou feliz. Não mentes. Dizes
Tudo que sentes. A infelicidade
Parece às vezes com a felicidade
E os infelizes mostram ser felizes!

Assim, em Tebas – a tumbal cidade,
A múmia de um herói do tempo de Ísis,
Ostenta ainda as mesmas cicatrizes
Que eternizaram sua heroicidade!

Quem vê o herói, inda com o braço altivo,
Diz que ele não morreu, diz que ele é vivo,
E, persuadido fica do que diz…

Bem como tu, que nessa crença infinda
Feliz me viste no Passado, e ainda
Te persuades de que sou feliz!

Publicações relacionadas

Olá, Guardador de Rebanhos Olá, Guardador de Rebanhos (Alberto Caeiro) ...
Fausto – Parte I (1806) ... Fausto - Parte I (1806) - resumo (Johann Wofgang von Goethe) A sede de onipot...
O ter deveres, que prolixa coi... O ter deveres, que prolixa coisa! (Álvaro de Campos) O ter deveres, que proli...
Os sapos Os sapos (Manuel Bandeira) Enfunando os papos, Saem da penumbra, Aos pulos...

Deixe uma resposta