Vai pelo cais fora um bulício de chegada próxima

Print Friendly, PDF & Email

Vai pelo cais fora um bulício de chegada próxima (Álvaro de Campos)

Vai pelo cais fora um bulício de chegada próxima,
Começaram chegando os primitivos da espera,
Já ao longe o paquete de África se avoluma e esclarece.
Vim aqui para não esperar ninguém,
Para ver os outros esperar,
Para ser os outros todos a esperar,
Para ser a esperança de todos os outros.

Trago um grande cansaço de ser tanta coisa.
Chegam os retardatários do princípio,
E de repente impaciento-me de esperar, de existir de ser,
Vou-me embora brusco e notável ao porteiro que me fita muito mas rapidamente.

Regresso à cidade como à liberdade.

Vale a pena existir para ao menos deixar de sentir.

Publicações relacionadas

Poemas Neoconcretos I Poemas Neoconcretos I - um fragmento: "Velocidades" (Ferreira Gullar) mar azu...
Mãos Mãos (Augusto dos Anjos) Há mãos que fazem medo Feias agregações pentagonai...
Deste Modo ou Daquele Modo Deste Modo ou Daquele Modo (Alberto Caeiro) ...
Não Basta Não Basta (Alberto Caeiro) Não basta abrir a janela Para ver os campos e ...

Deixe uma resposta