O descalabro a ócio e estrelas…

Print Friendly, PDF & Email

O descalabro a ócio e estrelas… (Álvaro de Campos)

O descalabro a ócio e estrelas…
Nada mais…
Farto…
Arre…
Todo mistério do mundo entrou para minha vida econômica.
Basta!
O que eu queria ser, e nunca serei, estraga-me as ruas.
Mas então isto não acaba?
É destino?
Sim, é meu destino
Distribuído pelos conseguimentos no lixo
E os meus propósitos à beira da estrada –
Os meus conseguimentos rasgados por crianças,
Os meus propósitos mijados por mendigos,
E toda a minha alma uma toalha suja que escorregou para o chão.
…………………………
O horror do som do relógio à noite na sala de jantar de uma casa
de província –
Toda monotonia e a fatalidade do tempo…
O horror súbito do enterro que passa
E tira a máscara de todas as esperanças.
Ali…
Ali vai a conclusão.
Ali, fechado e selado.
Ali, debaixo do chumbo lacrado e com cal na cara
Vai, que pena como nós,
Vai o nós!
Ali, sob um pano cru acro é horroroso como uma abóbada de cárcere.
Ali, ali, ali… E eu?

Publicações relacionadas

A Espantosa Realidade das Cous... A Espantosa Realidade das Cousas (Alberto Caeiro) A espantosa realidade...
Nox Nox (Antero de Quental) de Sonet...
Os Esperançosos Os Esperançosos (Bertold Brecht) Pelo que esperam? Que os surdos se deixem c...
Manhã Manhã (Ferreira Gullar) As portas batem as toalhas voam o dia se esbaqueia ...

Deixe uma resposta