Insânia

Print Friendly, PDF & Email

Insânia (Augusto dos Anjos)

No mundo vago das idealidades
Afundei minha louca fantasia;
Cedo atraiu-me a auréola fulgidia
Da refulgência antiga das idades.

Mas ao esplendor das velhas majestades
Vacila a mente e o seu ardor esfria;
Busquei então na nebulosa fria
Das Ilusões, sonhar novas idades.

Que desespero insano me apavora!
Aqui, chora um ocaso sepultado;
Ali, pompeia a luz da branca aurora

E eu tremo e hesito entre um mistério escuro
– Quero partir em busca do Passado
– Quero correr em busca do Futuro.

Publicações relacionadas

Quase um réquiem Quase um réquiem (Mario Benedetti) Do livro "...
Eu … Eu ... (Florbela Espanca) Eu sou a que no mundo anda perdida, Eu sou a que n...
História de um vencido História de um vencido (Augusto dos Anjos) Sol alto. A terra escalda: é um f...
O poeta pede a seu amor que lh... O poeta pede a seu amor que lhe escreva (Federico Garcia Lorca) Amor de ...

Deixe uma resposta