Insânia

Print Friendly, PDF & Email

Insânia (Augusto dos Anjos)

No mundo vago das idealidades
Afundei minha louca fantasia;
Cedo atraiu-me a auréola fulgidia
Da refulgência antiga das idades.

Mas ao esplendor das velhas majestades
Vacila a mente e o seu ardor esfria;
Busquei então na nebulosa fria
Das Ilusões, sonhar novas idades.

Que desespero insano me apavora!
Aqui, chora um ocaso sepultado;
Ali, pompeia a luz da branca aurora

E eu tremo e hesito entre um mistério escuro
– Quero partir em busca do Passado
– Quero correr em busca do Futuro.

Publicações relacionadas

Para onde fores, Pai, para ond... Para onde fores, Pai, para onde fores... (Augusto dos Anjos) Sonetos ...
Hino à Dor Hino à Dor (Augusto dos Anjos) Dor, saúde dos seres que se fanam, Riqueza da...
Estou Doente Estou Doente (Alberto Caeiro) Estou doente. Meus pensamentos começam a est...
As catadeiras de piolhos As catadeiras de piolhos (Arthur Rimbaud) Tradução de R.Magalhães Junior ...

Deixe uma resposta