Insânia

Print Friendly, PDF & Email

Insânia (Augusto dos Anjos)

No mundo vago das idealidades
Afundei minha louca fantasia;
Cedo atraiu-me a auréola fulgidia
Da refulgência antiga das idades.

Mas ao esplendor das velhas majestades
Vacila a mente e o seu ardor esfria;
Busquei então na nebulosa fria
Das Ilusões, sonhar novas idades.

Que desespero insano me apavora!
Aqui, chora um ocaso sepultado;
Ali, pompeia a luz da branca aurora

E eu tremo e hesito entre um mistério escuro
– Quero partir em busca do Passado
– Quero correr em busca do Futuro.

Publicações relacionadas

Gozo insatisfeito Gozo insatisfeito (Augusto dos Anjos) Entre o gozo que aspiro, e o sofrimento...
Grande Sertão, Veredas (trecho... Grande Sertão, Veredas (João Guimarães Rosa) "... a gente quer passar um ri...
O Pântano O Pântano (Augusto dos Anjos) No alheamento da obscura forma humana, De que...
Acho tão Natural que não se Pe... Acho tão Natural que não se Pense (Alberto Caeiro) ...

Deixe uma resposta