Momentos ao natural

Print Friendly, PDF & Email

Momentos ao natural (Walt Whitman)

Momentos ao natural,
quando vocês vêm a mim…
Ah, estão aí agora, agora dêem-me
somente alegrias libidinosas,
dêm-me o charco das paixões, a vida
lúbrica e bruta,
eu hoje vou desposar as noivas da Natureza,
e hoje à noite também,
estou com aqueles que acreditam
em prazeres largados,
eu compartilho as orgias de meia-noite
dos jovens, danço com os dançarinos
e bebo com os que gostam de beber,
ecos ressoam com os nossos nomes feios,
pego um baixote para meu mais caro amigo,
deve ser um analfabeto, um marginal,
bronco, deve ser um dos condenados
por outros por alguma coisa feita;
eu não vou mais representar – por que haveria
de me exilar de entre meus companheiros?
Ó criaturas enjeitadas,
eu pelo menos não vou enjeitá-las:
venho correndo para o meio de vocês,
e para vocês eu hei de ser mais
que qualquer dos restantes.

Publicações relacionadas

O apanhador de desperdícios O apanhador de desperdícios (Manoel de Barros) Uso a palavra para compor meus...
Duas Estrofes Duas Estrofes (Augusto dos Anjos) A queda do teu lírico arrabil De um sentim...
O Lupanar O Lupanar (Augusto dos Anjos) Ali! Por que monstruosíssimo motivo Prenderam...
O dorminhoco do vale O dorminhoco do vale (Arthur Rimbaud) Tradução de Rodrigo Solano Era um ...

Deixe uma resposta