Certa vez numa cidade

Print Friendly, PDF & Email

Certa vez numa cidade (Walt Whitman)

Certa vez eu passei
por uma cidade bem populosa,
guardando no meu cérebro impressões
para futuro emprego,
com suas mostras, sua arquitetura,
costumes, tradições,
embora dessa cidade eu agora
me lembre apenas de uma mulher
que encontrei ao acaso
e me deteve por amor de mim
e juntos estivemos
dia por dia e mais noite por noite
– posso afirmar que só me lembro mesmo
dessa mulher que se qpegou a mim
apaixonadamente,
de quanta vez andamos, nos amamos,
de novo nos deixamos,
de novo ela a pegar-me pela mão,
e eu sem precisar ir:
vejo-a bem perto a meu lado
de tristes lábios trêmulos
calados.

Publicações relacionadas

Creio Creio (Alberto Caeiro) Creio que irei morrer. Mas o sentido de morrer n...
Autoretrato Autoretrato (Pablo Neruda) Por mi parte, soy o creo ser duro de nariz, mí...
Quem não sabe de ajuda Quem não sabe de ajuda (Bertold Brecht) Como pode a voz que vem das casas Se...
José José (Carlos Drummond de Andrade) E agora, José? A festa acabou, a luz apag...

Deixe uma resposta