Mors — Amor

Print Friendly, PDF & Email

Mors — Amor (Antero de Quental)

Esse negro corcel, cujas passadas
Escuto em sonhos, quando a sombra desce,
E, passando a galope, me aparece
Da noite nas fantásticas estradas,

Donde vem ele? Que regiões sagradas
E terríveis cruzou, que assim parece
Tenebroso e sublime, e lhe estremece
Não sei que horror nas crinas agitadas?

Um cavaleiro de expressão potente,
Formidável, mas plácido, no porte,
Vestido de armadura reluzente,

Cavalga a fera estranha sem temor:
E o corcel negro diz: “Eu sou a morte!”
Responde o cavaleiro: “Eu sou o Amor!”

Publicações relacionadas

Apagar-me Apagar-me (Paulo Leminski) Apagar-me diluir-me desmanchar-me até que dep...
O engenho de Seu Lula O engenho de Seu Lula (José Lins do Rego) Trecho do livro "Fogo Morto" Che...
Aos caramurus da Bahia Aos caramurus da Bahia (Gregório de Matos) Um calção de pindoba à meia zorra ...
Para a liberdade e luta Para a liberdade e luta (Paulo Leminski) me enterrem com os trotskistas n...

Deixe uma resposta