Mors — Amor

Print Friendly, PDF & Email

Mors — Amor (Antero de Quental)

Esse negro corcel, cujas passadas
Escuto em sonhos, quando a sombra desce,
E, passando a galope, me aparece
Da noite nas fantásticas estradas,

Donde vem ele? Que regiões sagradas
E terríveis cruzou, que assim parece
Tenebroso e sublime, e lhe estremece
Não sei que horror nas crinas agitadas?

Um cavaleiro de expressão potente,
Formidável, mas plácido, no porte,
Vestido de armadura reluzente,

Cavalga a fera estranha sem temor:
E o corcel negro diz: “Eu sou a morte!”
Responde o cavaleiro: “Eu sou o Amor!”

Publicações relacionadas

Pobres das Flores Pobres das Flores (Alberto Caeiro) ...
Deusa Serena Deusa Serena (Cruz e Souza) Espiritualizante Formosura Gerada nas...
Que assim te afague… Que assim te afague... (Johann Wofgang von Goethe) Que assim te afague, ó meu...
Saudação de natal Saudação de natal (Walt Whitman) Tradução de Oswaldino Marques Bem-vindo...

Deixe uma resposta