Virar a página

Print Friendly, PDF & Email

Virar a página (Mario Benedetti)

Do livro “Perguntas ao acaso”
Tradução de Julio Luís Gehlen

É meu lugar
meu céu
meu travesseiro
meus insultos

sou quem sou porque os outros são
há uma história em cada amanhecer
e em cada transparência do crepúsculo

estive doze anos sem virar esta página
esperando sua letra suas estampas
imaginando coisas que não diz
mas que eram igualmente certas

sem virar esta página
ninguém pode ser alguém

pode somar paisagens
espigões torrentes
multidões fronteiras
pode colecionar amores e sabores
aplausos e vaias
manjares e esmolas
os rumos os atalhos
as diferenças as indiferenças
a solidariedade e o exorcismo
as ofertas saborosas os escândalos
os dedos que assinalam e os braços abertos
as decepções e as recompensas
as recusas e as convocatórias
e no entanto é verdade
sem virar esta página,
ninguém pode ser alguém.

Publicações relacionadas

Sinfonias do ocaso Sinfonias do ocaso (Augusto dos Anjos) Musselinosas como brumas diurnas ...
Distâncias mínimas Distâncias mínimas (Paulo Leminski) um texto morcego se guia por ecos ...
Soledades Soledades (Mario Benedetti) Ellos tienen razón esa felicidad al menos con...
Versos de um coveiro Versos de um coveiro (Augusto dos Anjos) Numerar sepulturas e carneiros, Red...

Deixe uma resposta