Print Friendly, PDF & Email

(Florbela Espanca)

Eu tenho pena da Lua!
Tanta pena, coitadinha,
Quando tão branca, na rua
A vejo chorar sozinha!…

As rosas nas alamedas,
E os lilases cor da neve
Confidenciam de leve
E lembram arfar de sedas

Só a triste, coitadinha…
Tão triste na minha rua
Lá anda a chorar sozinha …

Eu chego então à janela:
E fico a olhar para a lua…
E fico a chorar com ela! …

Publicações relacionadas

Minha grande ternura Minha grande ternura (Manuel Bandeira) Minha grande ternura Pelos passarinho...
Mater Originalis Mater Originalis (Augusto dos Anjos) Forma vermicular desconhecida Que estac...
Distante Melodia Distante Melodia (Mário de Sá Carneiro) Num sonho de Íris morto a oiro e bras...
História de um vencido História de um vencido (Augusto dos Anjos) Sol alto. A terra escalda: é um f...

Deixe uma resposta