Aquela gente antiga – II

Print Friendly, PDF & Email

Aquela gente antiga – II (Cora Coralina)

Aquela gente antiga explorava a minha bobice.
Diziam assim, virando a cara como se eu estivesse
distante:
“Senhora Jacinta tem quatro fulores mal falando.
Três acharam logo casamento, uma, não sei não,
moça feia num casa fácil.”

Eu me abria em lágrimas. Choro manso e soluçado…
“Essa boba… Chorona… Ninguém me falou o nome dela…”
Minha bisavó ralhava, me consolava com palavras de ilusão:
Sim, que eu casava. Que certo mesmo era menina
feia, moça bonita.
E me dava a metade de uma bolacha.
Eu me consolava e me apegava à minha bisavó.
Cresci com os meus medos e com o chá de raiz de
fedegoso,
prescrito pelo saber de minha bisavó.
Certo que perdi a aparência bisonha. Fiquei corada
e achei quem me quisesse.
Sim, que esse não estava contaminado dos
princípios goianos,
de que moça que lia romance e declamava Almeida Garret
não dava boa dona de casa.

Publicações relacionadas

Adélia por Adélia Adélia por Adélia (Adélia Prado) "Uma das mais remotas experiências poéticas ...
Poetas de amanhã Poetas de amanhã (Walt Whitman) Poetas de amanhã: arautos, músicos, cantores...
Elegia a Jacques Roumain no cé... Elegia a Jacques Roumain no céu de Haití (Nicolás Guillén) ...
O apanhador de desperdícios O apanhador de desperdícios (Manoel de Barros) Uso a palavra para compor meus...

Deixe uma resposta