Com os mortos

Print Friendly, PDF & Email

Com os mortos (Antero de Quental)

de Sonetos

Os que amei, onde estão? Idos, dispersos,
arrastados no giro dos tufões,
Levados, como em sonho, entre visões,
Na fuga, no ruir dos universos…

E eu mesmo, com os pés também imersos
Na corrente e à mercê dos turbilhões,
Só vejo espuma lívida, em cachões,
E entre ela, aqui e ali, vultos submersos…

Mas se paro um momento, se consigo
Fechar os olhos, sinto-os a meu lado
De novo, esses que amei vivem comigo,

Vejo-os, ouço-os e ouvem-me também,
Juntos no antigo amor, no amor sagrado,
Na comunhão ideal do eterno Bem.

Publicações relacionadas

As meninas da gare As meninas da gare (Oswald de Andrade) Eram três ou quatro moças bem moças e ...
Quem se defende Quem se defende (Bertold Brecht) Quem se defende porque lhe tiram o ar Ao lh...
Há poesia Há poesia (Oswald de Andrade) Há poesia na dor na flor no beija-flor no e...
Intimidade Intimidade (Antero de Quental) Quando, sorrindo, vais passando, e toda Essa...

Deixe uma resposta