Nox

Print Friendly, PDF & Email

Nox (Antero de Quental)

de Sonetos

Noite, vão para ti meus pensamentos,
Quando olho e vejo, à luz cruel do dia,
Tanto estéril lutar, tanta agonia,
E inúteis tantos ásperos tormentos…

Tu, ao menos, abafas os lamentos,
Que se exalam da trágica enxovia…
O eterno Mal, que ruge e desvaria,
Em ti descansa e esquece alguns momentos…

Oh! Antes tu também adormecesses
Por uma vez, e eterna, inalterável,
Caindo sobre o Mundo, te esquecesses,

E ele, o Mundo, sem mais lutar nem ver,
Dormisse no teu seio inviolável,
Noite sem termo, noite do Não-ser!

Publicações relacionadas

Assim como falham as palavras Assim como falham as palavras (Alberto Caeiro) Assim como falham as palavr...
Anelo Anelo (Johann Wofgang von Goethe) Tradução de Manuel Bandeira Só aos sáb...
De profundis clamavi De profundis clamavi (Charles Pierre Baudelaire) ...
La canción desesperada La canción desesperada (Pablo Neruda) Emerge tu recuerdo de la noche en que e...

Deixe uma resposta