Nox

Print Friendly, PDF & Email

Nox (Antero de Quental)

de Sonetos

Noite, vão para ti meus pensamentos,
Quando olho e vejo, à luz cruel do dia,
Tanto estéril lutar, tanta agonia,
E inúteis tantos ásperos tormentos…

Tu, ao menos, abafas os lamentos,
Que se exalam da trágica enxovia…
O eterno Mal, que ruge e desvaria,
Em ti descansa e esquece alguns momentos…

Oh! Antes tu também adormecesses
Por uma vez, e eterna, inalterável,
Caindo sobre o Mundo, te esquecesses,

E ele, o Mundo, sem mais lutar nem ver,
Dormisse no teu seio inviolável,
Noite sem termo, noite do Não-ser!

Publicações relacionadas

Poeta à moda antiga Poeta à moda antiga (Thiago de Mello Por Miguel Sanches Neto Consagrado, p...
As atas do rancor As atas do rancor (Mario Benedetti) Do livro...
Españolito Españolito (Antonio Machado) Ya hay un español que quiere vivir y a vivir em...
Transgressões Transgressões (Mario Benedetti) Do livro "P...

Deixe uma resposta