Nox

Print Friendly, PDF & Email

Nox (Antero de Quental)

de Sonetos

Noite, vão para ti meus pensamentos,
Quando olho e vejo, à luz cruel do dia,
Tanto estéril lutar, tanta agonia,
E inúteis tantos ásperos tormentos…

Tu, ao menos, abafas os lamentos,
Que se exalam da trágica enxovia…
O eterno Mal, que ruge e desvaria,
Em ti descansa e esquece alguns momentos…

Oh! Antes tu também adormecesses
Por uma vez, e eterna, inalterável,
Caindo sobre o Mundo, te esquecesses,

E ele, o Mundo, sem mais lutar nem ver,
Dormisse no teu seio inviolável,
Noite sem termo, noite do Não-ser!

Publicações relacionadas

Quando analiso a conquistada f... Quando analiso a conquistada fama (Walt Whitman) Quando analiso a conquistad...
Musa traviesa Musa traviesa (José Martí) Mi musa? Es un diablillo Contándolo, me inunda Co...
Coração Couraça Coração Couraça (Mario Benedetti) Do livro "...
Natureza Íntima Natureza Íntima (Augusto dos Anjos) Ao filósofo Farias Brito Cansada de obse...

Deixe uma resposta