Solemnia verba

Print Friendly, PDF & Email

Solemnia verba (Antero de Quental)

de Sonetos

Disse ao meu coração: Olha por quantos
Caminhos vãos andámos! Considera
Agora, desta altura, fria e austera,
Os ermos que regaram nossos prantos…

Pó e cinzas, onde houve flor e encantos!
E a noite, onde foi luz a Primavera!
Olha a teus pés o mundo e desespera,
Semeador de sombras e quebrantos!

Porém o coração, feito valente
Na escola da tortura repetida,
E no uso do pensar tornado crente,

Respondeu: Desta altura vejo o Amor!
Viver não foi em vão, se isto é vida,
Nem foi demais o desengano e a dor.

Publicações relacionadas

Mãos Mãos (Augusto dos Anjos) Há mãos que fazem medo Feias agregações pentagonai...
Minha Desgraça Minha Desgraça (Álvares de Azevedo) Minha desgraça não é ser poeta, Nem na t...
Sabete aquí Sabete aquí (Mario Benedetti) Podés querer el alba cuando quieras he cons...
Lacrimae rerum Lacrimae rerum (Antero de Quental) ...

Deixe uma resposta