Solemnia verba

Print Friendly, PDF & Email

Solemnia verba (Antero de Quental)

de Sonetos

Disse ao meu coração: Olha por quantos
Caminhos vãos andámos! Considera
Agora, desta altura, fria e austera,
Os ermos que regaram nossos prantos…

Pó e cinzas, onde houve flor e encantos!
E a noite, onde foi luz a Primavera!
Olha a teus pés o mundo e desespera,
Semeador de sombras e quebrantos!

Porém o coração, feito valente
Na escola da tortura repetida,
E no uso do pensar tornado crente,

Respondeu: Desta altura vejo o Amor!
Viver não foi em vão, se isto é vida,
Nem foi demais o desengano e a dor.

Publicações relacionadas

Nunca Sei Nunca Sei (Alberto Caeiro) Nunca sei como é que se pode achar um poente tr...
Anseios Anseios (Florbela Espanca) Meu doido coração aonde vais, No teu imenso ansei...
Romance del emplazado Romance del emplazado (Federico Garcia Lorca) Para E...
O Condenado O Condenado (Augusto dos Anjos) Folga a justiça e ...

Deixe uma resposta