Versos

Print Friendly, PDF & Email

Versos (Antero de Quental)

(escritos num exemplar das “flores do mal”)

As flores que nossa alma descuidada
Colhe na mocidade com mão casta,
São belas, sim: basta aspirá-las, basta
Uma vez, fica a gente enfeitiçada.

Nascem num prado ou riba sossegada,
Sob um céu puro e luz serena e vasta;
Têm fragrância subtil, mas nunca exausta,
Falam d’Amor e Bem à alma enlevada…

Mas as flores nascidas sobre o asfalto
Dessas ruas, no pó e entre o bulício,
Sem ar, sem luz, sem um sorrir do alto,

Que têm elas, que assim nos endoidecem ?
Têm o que mais as almas apetecem…
Têm o aroma irritante e acre do Vício !

Publicações relacionadas

Apocalipse Apocalipse (Augusto dos Anjos) Minha divinatória Arte ultrapassa os séculos ...
Boêmios Boêmios (Álvares de Azevedo) Ato de uma comédia não escrita ...
A plenos pulmões A plenos pulmões (Vladmir Maiakowski) Tradução ...
Revista Verde REVISTA VERDE Uma publicação modernista nascida no interior de Minas. A...

Deixe uma resposta