Versos

Print Friendly, PDF & Email

Versos (Antero de Quental)

(escritos num exemplar das “flores do mal”)

As flores que nossa alma descuidada
Colhe na mocidade com mão casta,
São belas, sim: basta aspirá-las, basta
Uma vez, fica a gente enfeitiçada.

Nascem num prado ou riba sossegada,
Sob um céu puro e luz serena e vasta;
Têm fragrância subtil, mas nunca exausta,
Falam d’Amor e Bem à alma enlevada…

Mas as flores nascidas sobre o asfalto
Dessas ruas, no pó e entre o bulício,
Sem ar, sem luz, sem um sorrir do alto,

Que têm elas, que assim nos endoidecem ?
Têm o que mais as almas apetecem…
Têm o aroma irritante e acre do Vício !

Publicações relacionadas

Lista de Preferências Lista de Preferências (Bertold Brecht) Alegrias, as desmedidas. Dores, as nã...
Lacrimae rerum Lacrimae rerum (Antero de Quental) ...
El Suicida El Suicida (Jorge Luis Borges) No quedará en la noche una estrella. No qued...
A Inês A Inês (George Gordon Byron) Não me sorrias à sombria fronte, Ai! sorrir eu ...

Deixe uma resposta