A morte de vênus

Print Friendly, PDF & Email

A morte de vênus (Augusto dos Anjos)

Velhos berilos, pálidas cortinas,
Morno frouxel de nardos recendendo
Velam-lhe o sono… e Vênus vai morrendo
No berço azul das névoas matutinas!

Halos de luz de brancas musselinas
Vão-lhe do corpo virginal descendo
– Abelha irial que foi adormecendo
Sobre um coxim de pérolas divinas.

E quando o Sol lhe beija a espádua nua,
Cai-lhe da carne o resplendor da Lua
No reverbero dos deslumbramentos…

Enquanto no ar há sândalos, há flores
E haustos de morte – os últimos clangores
Da música chorosa dos mementos!

Publicações relacionadas

N’augusta solidão dos cemitéri... N’augusta solidão dos cemitérios (Augusto dos Anjos) Soneto N’augusta soli...
Flor de Açucena Flor de Açucena (Thiago de Mello Quando acariciei o teu dorso, campo de tri...
Permanência Permanência (Adolfo Casais Monteiro) Não peçam aos poetas um caminho. O poeta...
Judia Judia (Cruz e Souza) Ah! Judia! Judia impenitente! De erma e de t...

Deixe uma resposta