A morte de vênus

Print Friendly, PDF & Email

A morte de vênus (Augusto dos Anjos)

Velhos berilos, pálidas cortinas,
Morno frouxel de nardos recendendo
Velam-lhe o sono… e Vênus vai morrendo
No berço azul das névoas matutinas!

Halos de luz de brancas musselinas
Vão-lhe do corpo virginal descendo
– Abelha irial que foi adormecendo
Sobre um coxim de pérolas divinas.

E quando o Sol lhe beija a espádua nua,
Cai-lhe da carne o resplendor da Lua
No reverbero dos deslumbramentos…

Enquanto no ar há sândalos, há flores
E haustos de morte – os últimos clangores
Da música chorosa dos mementos!

Publicações relacionadas

Expulso Por Bom Motivo Expulso Por Bom Motivo (Bertold Brecht) Eu cresci como filho De gente abasta...
A Esmola de Dulce A Esmola de Dulce (Augusto dos Anjos) Ao Alfredo A. E todo o dia eu vou co...
Mãos Mãos (Augusto dos Anjos) Há mãos que fazem medo Feias agregações pentagonai...
Poemetos Poemetos (Paulo Leminski) I É quando a vida vase É quando como quase....

Deixe uma resposta