A balada da água do mar

Print Friendly, PDF & Email

A balada da água do mar (Federico Garcia Lorca)

(A Emilio Prados, caçador de nuvens – 1919)

O mar
sorri ao longe.
Dentes de espuma,
lábios de céu.

– Que vendes, ó jovem turva,
com os seios ao ar?

– Vendo, senhor, a água
dos mares.

– Que levas, ó negro jovem,
mesclado com teu sangue?

– Levo, senhor, a água
dos mares.

– Essas lágrimas salobres
de onde vêm, mãe?

– Choro, senhor, a água
dos mares.

– Coração, e esta amargura
séria, onde nasce?

– Amarga muito a água
dos mares!

O mar
sorri ao longe.
Dentes de espuma,
lábios de céu.

Publicações relacionadas

Tarde de Outono Tarde de Outono (Álvares de Azevedo) Un souvenir heureux est peut-être sur...
Falas de Civilização Falas de Civilização (Alberto Caeiro) Falas de civilização, e de não dever s...
Na rua em funeral ei-la que pa... Na rua em funeral ei-la que passa (Augusto dos Anjos) Soneto (Le...
Outros Outros (Oscar Wilde) "uma coisa não se torna necessariamente verdadeira por a...

Deixe uma resposta