A balada da água do mar

Print Friendly, PDF & Email

A balada da água do mar (Federico Garcia Lorca)

(A Emilio Prados, caçador de nuvens – 1919)

O mar
sorri ao longe.
Dentes de espuma,
lábios de céu.

– Que vendes, ó jovem turva,
com os seios ao ar?

– Vendo, senhor, a água
dos mares.

– Que levas, ó negro jovem,
mesclado com teu sangue?

– Levo, senhor, a água
dos mares.

– Essas lágrimas salobres
de onde vêm, mãe?

– Choro, senhor, a água
dos mares.

– Coração, e esta amargura
séria, onde nasce?

– Amarga muito a água
dos mares!

O mar
sorri ao longe.
Dentes de espuma,
lábios de céu.

Publicações relacionadas

Amor de tarde Amor de tarde (Mario Benedetti) Do livro "Po...
Rosa Rilke Raimundo Correia Rosa Rilke Raimundo Correia (Paulo Leminski) Uma pálpebra, Mais uma, ...
Vozes da Morte Vozes da Morte (Augusto dos Anjos) Agora, sim! Vamos morrer, reunidos, Tam...
Os detratores e desafetos do “... Os detratores e desafetos do “Bruxo do Cosme Velho”(Machado de Assis) ...

Deixe uma resposta