A balada da água do mar

Print Friendly, PDF & Email

A balada da água do mar (Federico Garcia Lorca)

(A Emilio Prados, caçador de nuvens – 1919)

O mar
sorri ao longe.
Dentes de espuma,
lábios de céu.

– Que vendes, ó jovem turva,
com os seios ao ar?

– Vendo, senhor, a água
dos mares.

– Que levas, ó negro jovem,
mesclado com teu sangue?

– Levo, senhor, a água
dos mares.

– Essas lágrimas salobres
de onde vêm, mãe?

– Choro, senhor, a água
dos mares.

– Coração, e esta amargura
séria, onde nasce?

– Amarga muito a água
dos mares!

O mar
sorri ao longe.
Dentes de espuma,
lábios de céu.

Publicações relacionadas

O Mar, a Escada e o Homem O Mar, a Escada e o Homem (Augusto dos Anjos) O mar é triste como um cemitéri...
Aurora Aurora (Federico Garcia Lorca) De “Poeta...
Um homem com uma dor Um homem com uma dor (Paulo Leminski) um homem com uma dor é muito ma...
Cristais Cristais (Augusto dos Anjos) Mais claro e fino do que as finas pratas ...

Deixe uma resposta