A balada da água do mar

Print Friendly, PDF & Email

A balada da água do mar (Federico Garcia Lorca)

(A Emilio Prados, caçador de nuvens – 1919)

O mar
sorri ao longe.
Dentes de espuma,
lábios de céu.

– Que vendes, ó jovem turva,
com os seios ao ar?

– Vendo, senhor, a água
dos mares.

– Que levas, ó negro jovem,
mesclado com teu sangue?

– Levo, senhor, a água
dos mares.

– Essas lágrimas salobres
de onde vêm, mãe?

– Choro, senhor, a água
dos mares.

– Coração, e esta amargura
séria, onde nasce?

– Amarga muito a água
dos mares!

O mar
sorri ao longe.
Dentes de espuma,
lábios de céu.

Publicações relacionadas

Minha Desgraça Minha Desgraça (Álvares de Azevedo) Minha desgraça não é ser poeta, Nem na t...
Dos nossos males Dos nossos males (Mário Quintana) A nós bastem nossos próprios ais, Que a ni...
Vidas Secas Vidas Secas (Graciliano Ramos) Resumo: Em nenhum outro romance Graciliano ...
El sur El sur (Jorge Luis Borges) Desde uno de tus patios haber mirado las antiguas...

Deixe uma resposta