A guitarra

Print Friendly, PDF & Email

A guitarra (Federico Garcia Lorca)
(In: “Poema da Siguiriya gitana”)

Começa o pranto
da guitarra.
Quebram-se os copos
da madrugada.
Começa o pranto
da guitarra.
É inútil calá-la.
É impossível
calá-la.
Chora monótona
como chora a água,
como chora o vento
sobre a nevada.
É impossível
calá-la.
Chora por coisas
distantes.
Areia do Sul quente
que pede camélias brancas.
Chora flecha sem alvo,
a tarde sem manhã,
e o primeiro passo morto
sobre o ramo.
Oh! guitarra!
Coração malferido
por cinco espadas.

Publicações relacionadas

O Deus-Verme O Deus-Verme (Augusto dos Anjos) Factor universal do transformismo. Filho da...
Vegetaciones Vegetaciones (Pablo Neruda) A las tierras sin nombres y sin números bajaba e...
Reyerta Reyerta (Federico Garcia Lorca) En la mitad del barranco las navajas de Alba...
Valle lozano Valle lozano (José Martí) Dígame mi labriego Otros, con dagas grandes ¿Cómo ...

Deixe uma resposta