O Último poema

Print Friendly, PDF & Email

O Último poema (Manuel Bandeira)

Assim eu quereria o meu último poema
Que fôsse terno dizendo as coisas mais simples e menos intencionais
Que fôsse ardente como um soluço sem lágrimas
Que tivesse a beleza das flôres quase sem perfume
A pureza da chama em que se consomem os diamantes mais límpidos
A paixão dos suicidas que se matam sem explicação

Publicações relacionadas

O Buraco do Espelho O Buraco do Espelho (Arnaldo Antunes) o buraco do espelho está fechado agora...
Quem faz a História Quem faz a História (Bertold Brecht) Quem construiu a Tebas das sete portas? ...
O Domador O Domador (Mário de Andrade) Alturas da Avenida. Bonde 3. Asfaltos. Vastos, ...
Aurora morta, foge! Aurora morta, foge! (Augusto dos Anjos) Soneto Aurora morta, foge! Eu busc...

Deixe uma resposta