O Último poema

Print Friendly, PDF & Email

O Último poema (Manuel Bandeira)

Assim eu quereria o meu último poema
Que fôsse terno dizendo as coisas mais simples e menos intencionais
Que fôsse ardente como um soluço sem lágrimas
Que tivesse a beleza das flôres quase sem perfume
A pureza da chama em que se consomem os diamantes mais límpidos
A paixão dos suicidas que se matam sem explicação

Publicações relacionadas

Um sentido para a vida Um sentido para a vida - trechos do livro (Antoine de Saint-Exupéry) Trechos ...
A Máscara do Mal A Máscara do Mal (Bertold Brecht) Em minha parede há uma escultura de madeira...
Poeta à moda antiga Poeta à moda antiga (Thiago de Mello Por Miguel Sanches Neto Consagrado, p...
Idealizações Idealizações (Augusto dos Anjos) A Santos Neto I...

Deixe uma resposta