Por entre o Beberibe, e o Oceano

Print Friendly, PDF & Email

Por entre o Beberibe, e o Oceano (Gregório de Matos)

Por entre o Beberibe, e o Oceano
Em uma areia sáfia, e lagadiça
Jaz o Recife povoação mestiça,
Que o Belga edificou ímpio tirano.

O Povo é pouco, e muito pouco urbano,
Que vive à mercê de uma linguiça,
Unha de velha insípida enfermiça,
E camarões de charco em todo o ano.

As Damas cortesãs, e por rasgadas
Olhas podridas, são, e pestilências,
Elas com purgações, nunca purgadas.

Publicações relacionadas

Esta Tarde a Trovoada Caiu Esta Tarde a Trovoada Caiu (Alberto Caeiro) ...
Dolências (Oh! Lua morta de mi... Dolências (Oh! Lua morta de minha vida) (Augusto dos Anjos) Oh! Lua morta de ...
Ao meu amigo Ao meu amigo/strong> (Mario Benedetti) Estou orgulhoso e feliz de ser seu am...
Seu espelho é um sagaz Seu espelho é um sagaz (Mario Benedetti) Do ...

Deixe uma resposta