Por entre o Beberibe, e o Oceano

Print Friendly, PDF & Email

Por entre o Beberibe, e o Oceano (Gregório de Matos)

Por entre o Beberibe, e o Oceano
Em uma areia sáfia, e lagadiça
Jaz o Recife povoação mestiça,
Que o Belga edificou ímpio tirano.

O Povo é pouco, e muito pouco urbano,
Que vive à mercê de uma linguiça,
Unha de velha insípida enfermiça,
E camarões de charco em todo o ano.

As Damas cortesãs, e por rasgadas
Olhas podridas, são, e pestilências,
Elas com purgações, nunca purgadas.

Publicações relacionadas

Quando Tornar a Vir a Primaver... Quando Tornar a Vir a Primavera (Alberto Caeiro) Quando tornar a vir a Prima...
Resumo Resumo (Adélia Prado) Gerou os filhos, os netos, deu à casa o ar de sua graç...
Vontade de dormir Vontade de dormir (Mário de Sá Carneiro) Fios de oiro puxam por mim a soergu...
A ponto de partir A ponto de partir (Ana Cristina Cesar) A ponto de partir, já sei que noss...

Deixe uma resposta