Por entre o Beberibe, e o Oceano

Print Friendly, PDF & Email

Por entre o Beberibe, e o Oceano (Gregório de Matos)

Por entre o Beberibe, e o Oceano
Em uma areia sáfia, e lagadiça
Jaz o Recife povoação mestiça,
Que o Belga edificou ímpio tirano.

O Povo é pouco, e muito pouco urbano,
Que vive à mercê de uma linguiça,
Unha de velha insípida enfermiça,
E camarões de charco em todo o ano.

As Damas cortesãs, e por rasgadas
Olhas podridas, são, e pestilências,
Elas com purgações, nunca purgadas.

Publicações relacionadas

O Coveiro O Coveiro (Augusto dos Anjos) Uma tarde de abril suave e pura Visitava eu ...
Romanxe de Nossa Señora da Bar... Romanxe de Nossa Señora da Barca (Federico Garcia Lorca) Seis Poemas Galegos ...
Ser Poeta Ser Poeta (Florbela Espanca) Do Livro Charneca em...
Mãos Mãos (Augusto dos Anjos) Há mãos que fazem medo Feias agregações pentagonai...

Deixe uma resposta