Todos os Dias

Print Friendly, PDF & Email

Todos os Dias (Alberto Caeiro)

Todos os dias agora acordo com alegria e pena.
Antigamente acordava sem sensação nenhuma; acordava.
Tenho alegria e pena porque perco o que sonho
E posso estar na realidade onde está o que sonho.
Não sei o que hei de fazer das minhas sensações.
Não sei o que hei de ser comigo sozinho.
Quero que ela me diga qualquer cousa para eu acordar de novo.

Publicações relacionadas

Sabete aquí Sabete aquí (Mario Benedetti) Podés querer el alba cuando quieras he cons...
Aos caramurus da Bahia Aos caramurus da Bahia (Gregório de Matos) Um calção de pindoba à meia zorra ...
O dilúvio O dilúvio(Machado de Assis) E caiu a chuva sobre a terra quarenta dias e q...
Preceito 02 Preceito 02 (Gregório de Matos) No que toca aos juramentos, de mim para m...

Deixe uma resposta