Todos os Dias

Print Friendly, PDF & Email

Todos os Dias (Alberto Caeiro)

Todos os dias agora acordo com alegria e pena.
Antigamente acordava sem sensação nenhuma; acordava.
Tenho alegria e pena porque perco o que sonho
E posso estar na realidade onde está o que sonho.
Não sei o que hei de fazer das minhas sensações.
Não sei o que hei de ser comigo sozinho.
Quero que ela me diga qualquer cousa para eu acordar de novo.

Publicações relacionadas

Primeira comunhão Primeira comunhão (Cruz e Souza) Grinaldas e véus brancos, véus de neve,...
Felicidade clandestina (trecho... Felicidade clandestina(Clarice Lispecto) " Às vezes sentava-se na rede, bal...
Homo Infimus Homo Infimus (Augusto dos Anjos) Homem, carne sem luz, criatura cega, Realid...
Quase um réquiem Quase um réquiem (Mario Benedetti) Do livro "...

Deixe uma resposta