Todos os Dias

Print Friendly, PDF & Email

Todos os Dias (Alberto Caeiro)

Todos os dias agora acordo com alegria e pena.
Antigamente acordava sem sensação nenhuma; acordava.
Tenho alegria e pena porque perco o que sonho
E posso estar na realidade onde está o que sonho.
Não sei o que hei de fazer das minhas sensações.
Não sei o que hei de ser comigo sozinho.
Quero que ela me diga qualquer cousa para eu acordar de novo.

Publicações relacionadas

Pranto para comover Jonathan Pranto para comover Jonathan (Adélia Prado) Os diamantes são indestrutíveis? ...
Agonia de um Filósofo Agonia de um Filósofo (Augusto dos Anjos) Consulto o Phtah-Hotep. Leio o obso...
Cinco horas Cinco horas (Mário de Sá Carneiro) Minha mesa no Café, Quero-lhe tanto... ...
Memorándum Memorándum (Mario Benedetti) Uno llegar e incorporarse el día Dos respirar ...

Deixe uma resposta